5)Na detecção de animais que irão desenvolver doenças de início tardio: para doenças recessivas,

A DISPLASIA COXOFEMORAL

COMO DETECTAR O CRIADOR QUE TRABALHA PARA DIMINUIR O NASCIMENTO DE ANIMAIS QUE DESENVOLVAM DISPLASIA?

O cuidado mínimo...

...que um criador deve ter é o de avaliar todos seus animais, e nunca procriar qualquer animal com RX classificados como D ou E, ainda que os mesmos aparentem ser saudáveis.

Antes de escolher seu filhote, solicite uma cópia dos laudos dos pais da ninhada, assinados por um veterinário. Nestes laudos, verifique:

1) a classificação do RX (A a E)

2) a idade em que o animal passou pelo exame, que deve ser de no mínimo 2 anos.

O criador responsável...

...só reproduz animais com RX classificados como A ou B, cruzando com animais A ou B. No Brasil, existe a prática de reprodução de animais com RX classificados como C, porém esta não é uma indicação seguida por organizações internacionais. Assim, caso animais com RX C sejam reproduzidos, esta prática deve ser excepcional, e seguida de ambos os cuidados:

        1)Estes animais devem ser filhos de casais com RX  A ou B, e nunca de casais com outras                    classificações (C, D ou E)

        2) Estes animais dever ser cruzados exclusivamente com animais com RX A.

Muito cuidado com o criador que... 

......não faz RX da articulação e procria os animais indiscriminadamente. Isto provoca o nascimento de muitos filhotes que desenvolvem a doença, e aumenta a prevalência da doença na raça (veja a tabela no final da página)

Descrição da displasia coxofemoral:

   A displasia coxofemoral é definida como um desenvolvimento anormal da articulação do quadril, uma doença multifatorial, desencadeada por uma predisposição genética. É uma doença progressiva (piora com o tempo), e que pode causar outras alterações articulares como a artrite. A maioria dos cães com a doença não apresenta sinais clínicos quando jovens. Quando iniciam, os sinais dependem do grau da doença, variando de atividade diminuída a incapacidade grave. Estes sinais também incluem dificuldade em se levantar, mudança na postura devido a dor, claudicação após o exercício, andar cambaleante, incapacidade de subir e descer escadas, dentre outros.

Vocé é criador, já trabalha da maneira proposta para prevenir o problema, mas quer fazer mais?

  Parabéns!

Informe-se aqui,

ou

entre em contato conosco! 

doberman-893931_1920.jpg

Diagnóstico da displasia coxofemoral:

A avaliação é feita por um RX da articulação coxo-femoral, também conhecido por "laudo de displasia", que deve ser feita a partir dos 2 anos de idade. Após a avaliação radiográfica, no Brasil o veterinário especialista emite um laudo com a classificação do animal, que pode variar entre A e B para animais sem displasia, e entre C, D ou E para animais doentes, dependendo do grau.

Veja alguns dados da  Associação de Ortopedia Animal (OFA), dos Estados Unidos, sobre cruzamentos e resultados nas ninhadas:

A tabela* ao lado demonstra dados de um estudo da OFA (EUA), que avaliou resultados de RX de 444.451 cães de diversas raças. Esta tabela demonstra a proporção de animais com displasia a partir de cada tipo de cruzamento:

*tabela adaptada da 5ª edição do texto “The use of health databases and selection breeding – a guide for dog and cat breeders and ouwners”, de Greg Keller, DVM, MS, DACVR (Orthopedic Foundation for Animals, Inc.), disponível aqui