DERMATOMIOSITE

O criador responsável...

...avalia todos os animais e não reproduz cães diagnosticados com dermatomiosite 

Antes de escolher seu filhote, converse com o criador sobre a possibilidade de histórico da doença na família do filhote

COMO DETECTAR O CRIADOR QUE TRABALHA PARA DIMINUIR O NASCIMENTO DE ANIMAIS QUE DESENVOLVAM A DOENÇA?

Muito cuidado com o criador que ...

......não realiza nenhum tipo de avaliação clínica de saúde, cruzando os animais de maneira aleatória, inclusive os que tem a doença. Este tipo de criador tira várias crias disseminando a predisposição genética no seu plantel.

Vocé é criador, já trabalha da maneira proposta para prevenir o problema, mas quer fazer mais?

  Parabéns!

Informe-se aqui,

ou

entre em contato conosco! 

Descrição da dermatomiosite:

            A dermatomiosite familiar (DMF) canina é uma doença inflamatória rara e multifatorial que pode causar alterações na pele e na musculatura do animal. Sua causa ainda não é totalmente conhecida, porém suspeita-se que esteja relacionado com o sistema imunológico, e o alvo primário seja o endotélio capilar (células da parte interna dos vasos sanguíneos). A  doença nos vasos leva à deficiência de oxigênio e nutrientes para os tecidos, gerando os sinais cutâneos e musculares observados na DMF. Acredita-se que a predisposição genética seja seguida de um gatilho desencadeador (o qual poderia ser vacinas, medicamentos, exposição solar, infecções virais ou toxinas) que desencadeia a ação do sistema imunológico, e os consequentes sinais clínicos.

            Os sinais clínicos podem variar e regredirem ou progredirem no decorrer do caso. As alterações na pele não são pruriginosas, ou seja, o cão não manifesta coceira. Podem ser observadas áreas sem pelo, avermelhadas, descamativas, com aspecto de cicatrizes e até com ulcerações. Os locais mais comumente acometidos são partes do corpo expostas a trauma mecânico e ao redor dos olhos, próximo ao nariz, ponta da orelha e da cauda, e extremidade dos membros. Eventualmente podem ser observadas alterações nas unhas, como deformidades, quebra ou descamação e até mesmo queda.

            Cães com apresentações brandas da doença podem não apresentar sinais musculares ou estes podem ter início meses após a identificação das alterações cutâneas. Assim como na pele, os sinais musculares são variáveis. Pode-se observar atrofia muscular bilateral simétrica dos músculos mastigatórios, levando à dificuldade para comer e beber, ou generalizada, se manifestando como fraqueza, letargia ou alteração na marcha. Interessante observar que em alguns cães a única observação pode ser a presença de alimento na vasilha de água (decorrente da deglutição incompleta), enquanto em outros, a fraqueza muscular poderá causar dificuldade intensa para ingestão de água e alimento, megaesôfago e pneumonia por aspiração.  

            Não há predisposição sexual e a maioria dos cães acometidos manifesta os sinais clínicos ainda filhotes, usualmente antes de seis meses. A progressão da doença pode variar, afetando de forma diferente animais de uma mesma ninhada, e a gravidade do quadro pode ser determinada, usualmente, por volta de um ano de idade. É raro um cão manifestar os primeiros sinais já adulto. É possível observar histórico familiar da doença em cães das raças Collie, Pastor de Shetland, Beauceron, Tervuren e Cão d'Água Português. A doença já foi relatada em Welshi Corgi, Lakeland Terrier, Chow Chow, Pastor Alemão, Kuvasz, Jack Russel Terrier, Rottweiler e SRD (sem raça definida), porém a base familiar nesses cães não está comprovada, sendo denominada de doença semelhante à dermatomiosite (dermatomyositis-like disease).

           Cães com forma branda de DMF não requerem tratamento específico, pois geralmente apresentam resolução espontânea das lesões de pele. Áreas sem pelo, escurecidas e de aspecto cicatricial podem permanecer em regiões de lesões mais graves, porém tem impacto apenas estético. Visto que traumas e exposição solar prolongadas podem agravar o quadro, o veterinário pode prescrever medidas de manejo para reduzir estes fatores. Já para animais com apresentações moderadas pode ser necessário instituir terapia com vitamina E, ômega 3, corticosteroides e pentoxifilina. Cabe ressaltar que, embora historicamente recomendada, poucos estudos avaliaram o mecanismo de ação da pentoxifilina em cães. Em casos severos, a dificuldade de locomoção e de ingestão de alimento e água impactam a qualidade de vida do paciente. Doses maiores das medicações podem trazer efeitos colaterais indesejados e complicações, como pneumonia aspirativa, fazem com que eutanásia possa ser recomendada.

  

Diagnóstico da dermatomiosite:

           Para realizar o diagnóstico de DMF o veterinário combina informações do histórico, sinais do paciente e exames complementares, como biopsias de pele e músculo, e eletromiografia. Exame dermatológicos de rotina, como o parasitológico de pele e a citologia cutânea, são importantes para descartar doenças que podem causar sinais cutâneos semelhantes, como sarna demodécica e infecção bacteriana. Exames de sangue normalmente não apresentam alterações.

              Cães acometidos com DMF, independentemente da gravidade da doença, não devem ser utilizados na reprodução.

dmsable_small.jpg

Para saber mais...

BACKEL, C. A. et al. Canine ischaemic dermatopathy: a retrospective study of 177 cases (2005–2016). Veterinary Dermatology, Oxford, v. 30, n. 5, p. 403-e-122, July 2019.

- EVANS, J. M. et al. Beyond the MHC: A canine model of dermatomyositis shows a complex pattern of genetic risk involving novel loci. PLoS genetics, San Francisco, v. 13, n. 2, Feb. 2017.

- UPEI - University of Prince Island: https://cidd.discoveryspace.ca/disorder/dermatomyositis-and-ulcerative-dermatosis.html

Colaboração: Daniela Flores Fernandes, Médica Veterinária (CRMV 10875).

Graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com residência no HCV- UFRGS, mestrado e doutorado em Ciências Veterinárias (PPGCV-UFRGS), com ênfase em Dermatologia Veterinária. Professora de disciplinas de Clínica de Pequenos Animais na UniRitter, Porto Alegre.