5)Na detecção de animais que irão desenvolver doenças de início tardio: para doenças recessivas,

A  ATROFIA PROGRESSIVA DA RETINA

COMO IDENTIFICAR O CRIADOR QUE TRABALHA PARA DIMINUIR O NASCIMENTO DE ANIMAIS COM ATROFIA PROGRESSIVA DA RETINA?

Antes de escolher seu filhote, converse com  o criador sobre as maneiras como ele avalia seus cruzamentos com relação a esta doença.

O criador responsável...

... realiza avaliações anuais com um veterinário oftalmologista, e nunca reproduz qualquer cão que tenha o diagnóstico ou sinais sugestivos da doença. Se um cão tem algum parente com o diagnóstico de atrofia progressiva da retina, o mesmo não deve ser cruzado com outro cão semelhante. É importante não realizar cruzamentos consanguíneos, pois os mesmos aumentam muito a chance de nascimentos de filhotes com estas doenças.

Muito cuidado com o criador que cruza os animais de forma aleatória, sem se preocupar com o grau de parentesco bem como com a verificação da predisposição genética do animal que poderá ser um portador silencioso da mutação causadora da doença. Cuidado também com o criador que realiza cruzamentos consanguíneos, pois isto aumenta a chance de nascimento da doença

Vocé é criador, já trabalha da maneira proposta para a diminuição da doença, mas quer fazer mais?

                       Parabéns!

Informe-se aqui,

ou

entre em contato conosco! 

Descrição:

         A Atrofia Progressiva da Retina (no labrador denominada de PRA/prcd) é um processo lento de degeneração de células do tecido da retina, os bastonetes, que são responsáveis pela visão noturna. Com a progressão da doença, o cão acaba por perder totalmente a visão. Na grande maioria das raças é uma doença recessiva, e pode ocorrer com cães de qualquer raça, sendo mais comum em algumas raças como o Poodle, o Labrador, Dachshund e Golden Retriever. Esta é uma doença de cães adultos, pois normalmente quando é diagnosticada já está instalada há algum tempo. O processo de degeneração pode iniciar por volta dos 3 anos e ser diagnosticada bem mais tarde, já que é difícil para o tutor perceber a diminuição da visão noturna. Alguns sinais que o cão apresenta são olhos mais brilhantes e pupilas dilatadas. Em alguns países é exigido teste de DNA para verificação da doença, e caso positivo, para PRA  é obrigatória a castração do cão.

Diagnóstico:

          Os sinais clínicos descritos acima levam à suspeita da doença, que pode ser confirmada somente após o exame do médico veterinário especialista em oftalmologia. É de extrema importância realizar avaliações anuais, pois a perda de visão pode começar sem que o tutor ou criador perceba.

Para saber mais...

- Laboratório Optigen: http://www.optigen.com/opt9_test_prcd_pra.html

​- Laboratório Gensol:  http://www.gensoldx.com/disease-tests/#PRA-PRCD