5)Na detecção de animais que irão desenvolver doenças de início tardio: para doenças recessivas,

PROBLEMAS DE COLUNA

O criador responsável...

...realiza RX de coluna de qualquer animal, antes de reproduzi-lo, e nunca reproduz um animal que tenha problemas sérios de coluna.  

Antes de escolher seu filhote, solicite uma cópia dos laudos dos pais da ninhada, assinados por um veterinário, e converse com seu médico de confiança sobre os laudos.

COMO DETECTAR O CRIADOR QUE TRABALHA PARA DIMINUIR O NASCIMENTO DE ANIMAIS QUE DESENVOLVAM PROBLEMAS SÉRIOS DE COLUNA?

Muito cuidado com o criador que ...

......não realiza nenhum tipo de avaliação clínica ou radiográfica de seus animais, cruzando os animais de maneira aleatória, inclusive cruzando dois animais que tenham problemas sérios de coluna. Como é muito comum um cão não apresentar sinais clínicos, especialmente quando jovem, este criador tira várias crias disseminando e aumentando o problema em filhotes. 

Descrição da coluna do bulldog frances e problemas possíveis:

         Você ouvirá de criadores que todo bulldog francês tem problema de coluna, e isto infelizmente é praticamente verdade. Esta raça foi modificada ao longo das últimas décadas para ter o comprimento do corpo e da cauda encurtados, o que originou várias deformações de vértebras, sendo a mais comum denominada de "hemivértebra".
      A hemivértebra é uma mal formação de uma ou mais vértebras que ocorre durante o desenvolvimento dos filhotes, especialmente de raças braquicefálicas (com o focinho achatado). A literatura científica relata uma prevalência de mais de 80% deste problema em Bulldog Francês. Se chama hemivértebra toda a vértebra que tiver algum dos seus lados malformados, e que se apresente formato de cunha. Já quando a vértebra não tem sua parte do meio, também é uma mal formação chamada de "vértebra em borboleta". 

        Um cão pode viver bem durante a vida toda com estes problemas de coluna, mas quanto mais vértebras mal formadas ele tiver, maior a sua chance de ter alguma lesão da medula espinhal, já que as vértebras protegem a medula. Lesões de coluna podem ser desde leves e reversíveis, até bastante sérias e levar os animais a perder completamente movimentos de partes do corpo, como as patas traseiras por exemplo. Por isso cães desta raça devem ser impedidos ao máximo de realizar movimentos bruscos, como pular nos tutores, subir ou descer escadas, e pular de locais  altos. 

       Somente um Médico Veterinário, principalmente especialista em ortopedia, pode realizar a avaliação da coluna de um cão, através de exames físicos e de imagem (RX) e emitir um laudo com relação à gravidade ou não do problema, afirmando se o mesmo está apto para a reprodução.

No Brasil, a prática da enorme maioria dos criadores é a de não avaliar a coluna de seus cães, antes da reprodução. No entanto, isto só contribui para a piora do quadro ao longo das gerações.

Ainda assim, alguns criadores avaliam os RX de coluna de seus animais. 

SE VOCÊ GOSTA DESTA RAÇA, PROCURE UM CRIADOR QUE TRABALHE DESTA FORMA, VALORIZANDO ESTE TIPO DE CRIAÇÃO.

Mas lembre-se: não existe nenhuma garantia que cães que passaram por esta avaliação produzirão filhotes com colunas adequadas. No entanto, criar desta maneira irá, a longo prazo, diminuir gradativamente o problema. 

O que criador responsável deve avaliar ao reproduzir um casal?

         Um erro muito comum é o de se pensar que como quase todo Buldogue Francês tem problema de coluna, "não tem o que fazer". No entanto, isto não está correto, uma vez que se nenhum animal tiver sua coluna avaliada, o criador poderá estar somando problemas do macho e da fêmea, e agravando o problema na ninhada. Já foi comprovado que malformações de vértebra tem influência de aproximadamente 58% da genética e, portanto, o criador responsável deve avaliar seus animais. 

           É importante lembrar que esta avaliação é sugerida não para retirar da reprodução qualquer animal que tiver uma ou duas hemivértebras por exemplo. Infelizmente, isto é impossível para esta raça, pois a levaria à extinção. A avaliação prévia da coluna deve ocorrer para:

         1) não reproduzir animais com problemas muito sérios de coluna (diversas hemivértebras e vértebras em borboleta): este problema sério teria uma chance de ser passado em boa parte para a prole. Isto é importante especialmente para fêmeas, que além de tudo ainda têm uma sobrecarga na coluna durante a gravidez. 

     2) não reproduzir entre si dois animais com problemas mais leves de coluna (algumas hemivértebras, por exemplo): devido à comprovado influência genética sobre esta características, ao juntar dois animais com problemas não tão severos, existiria uma boa  chance do problema ser agravado na prole.

      3) escolher cruzamentos adequados: se uma fêmea, por exemplo, tem algumas hemivértebras, o criador deve fazer o possível para reproduzi-la com um acho que tenha o menor número possível de malformações - idealmente menos que a fêmea.

              

É criador, e gostaria de se informar mais sobre isto? 

Clique aqui, oentre em contato conosco!